A Obra de Arte do Futuro

16.00

Richard Wagner

“O poeta? O actor? O músico? O artista plástico? – Digamo-lo simplesmente: o povo. O mesmo povo a quem, ainda hoje, devemos a única verdadeira obra de arte que vive na nossa recordação e que só desfiguradamente imitamos, o povo a quem unicamente devemos a arte.”
Richard Wagner

Em A Obra de Arte do Futuro, música e poesia são antes de mais – e lado a lado com a dança – expressão do corpo de um corpo total, não especializado e não desarticulado. Com esta concepção do corpo radicalmente determinada pela ideia de performatividade, Wagner procede a uma sensível deslocação da tradicional correlação entre os sentidos e as artes e, consequentemente, do desenho e da compreensão do sistema das artes. Richard Wagner deseja criar um modelo ideal das artes, que é ao mesmo tempo um modelo ideal de compreensão do homem, uma unidade em que o indivíduo e a sociedade se encontram na força do impulso artístico da pulsão a um tempo destrutiva e criativa. O futuro será, então, a supressão da individualidade e, juntamente com esta, a supressão do tempo a «reabsorção» do tempo na obra de arte.

 

  
Descrição

Título original: Das Kunstwerk der Zukunft
Tradução de José M. Justo
268 págs.
Antígona, 1ª edição. 2003
ISBN 972-608-163-7

Categorias: , Etiquetas: ,